Destaque

Criando Comunidades de Aprendizagem na EAD

cropped-bg-top5.png

Olá pessoal, sejam todos bem vindos a JOVAED 2018!

É uma satisfação enorme compartilharmos experiências sobre EAD. Espero que possamos agregar valor a essa atividade, pois todos nós somos atores fundamentais nesse processo de ensino-aprendizagem.

Então Vamos lá!

Essa atividade proposta pela Jornada Virtual ABED de Educação a Distância (JOVAED) é uma ótima oportunidade de discutirmos como criar uma comunidade de aprendizagem na EAD, mais especificamente no âmbito da Instituições Públicas de Ensino Superior, com vista a promover o diálogo entre os diversos atores envolvidos na EAD e por conseguinte  criar ambientes virtuais  favoráveis para o estudo e pesquisa sobre educação a distância no Brasil.

Antes de apresentar especificamente a criação de Comunidades de Aprendizagem na EAD, vamos discutir um pouco a origem desse movimento e os seus principais conceitos.

  1. ORIGEM DAS COMUNIDADES DE APRENDIZAGEM

As comunidades de aprendizagem na educação tornou-se um movimento crescente, ganhando maior expressividade a partir das experiências vivenciadas pela rede de ensino da Espanha em 1995. A partir do sucesso dessa ação, as Comunidades de Aprendizagem foi sendo difundidas e chegou ao Brasil.

Na concepção inicial as comunidades de  aprendizagem ocorriam de forma presencial, envolvendo alunado, professores, pais e até pessoas do entorno da escola. Mas com o advento da internet e, por conseguinte criação de novas ferramentas de comunicação e informação a educação a distância foi potencializada e abriu a possibilidade de criação de grupos virtuais que favorecem as interações sociais, que se realizam em torno dos interesses comuns de seus membros. É o que estamos fazendo agora!

  1. CONCEITOS FUNDAMENTAIS

Alguns conceitos são crucias para sabermos o que estamos discutindo e guiar a atividade aqui proposta. O primeiro deles é o que vem ser as comunidades de aprendizagem. Pois bem, de modo geral as comunidades de aprendizagem é uma forma de interação entre diferentes pessoas que possuem propósitos comuns.

As comunidades de aprendizagem estão embasadas no diálogo entre todos os membros, visando a comunicação. A comunicação nesse processo possibilita a interação entre as pessoas e que elas aprendam umas com as outras dando significado a realidade que estão inseridas. De acordo com a Justen (2015) a comunidade de aprendizagem tem objetivo de estudar um determinado tema de interesse comum, é caracterizada por uma relação horizontal onde cada participante deve levar a sua contribuição para o grupo,e normalmente não possui um número muito grande de pessoas.

Na EAD, as comunidades de aprendizagem se dão, de acordo com alguns estudos, pelos princípios da aprendizagem construtivista e da utilização de metodologias ativas, centradas na realização de projetos, na resolução de problemas e na aprendizagem cooperativa.

Sabemos que é preciso se pensar em ferramentas que auxilie esse processo de diálogo e interação entre os envolvidos e interessados na EAD em contextos distintos. Então, temos o desafio de pensar em novas formas de interação, a serem viabilizadas através das tecnologias de informação e comunicação que hoje nos é disponibilizada para fins educativos, para que oportunize interações sociais acolhidas em espaços virtuais de comunicação bidirecional.

Mas vamos direto ao assunto. Como criar uma comunidade de aprendizagem? Pois bem, a seguir será apresentado como criar uma comunidade de aprendizagem no âmbito de instituições de ensino superior. Lembrando que a metodologia apresentada baseou-se nos estudos e experiências do Núcleo de Investigação e Ação Social e Educativa, da UFSCar e de minha vivência com a EAD.

  1. ETAPAS PARA CRIAÇÃO DE UMA COMUNIDADE DE APRENDIZAGEM NA EAD

Para se criar uma comunidade de aprendizagem é preciso passar por algumas etapas. Mas para facilitar a compreensão dessas etapas vamos imaginar, por exemplo, um curso de Administração Pública oferecido na modalidade à distância. E que professores do referido curso perceberam que muitos alunos enfrentavam dificuldades na disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Assim a partir dessa primeira impressão um dos professores resolveu realizar:

Diagnóstico: Essa etapa consiste em identificar dificuldades enfrentadas pelos alunos e que poderiam ser sanadas caso houvesse um melhor interação entre eles e demais atores participantes do processo de educação a distância e também interessados em colaborar (que não necessariamente são participantes formais da EAD). Nessa etapa é importante identificar  as pessoas que podem estar participando dessa comunidade (Ex.: alunos, tutores, professores, coordenadores, profissionais da área ou não que se interessam em participar da comunidade de aprendizagem).

Proposta – Após o diagnóstico, elabora-se uma proposta inicial de criação de uma comunidade de aprendizagem. Nesse documento deve explicar o objetivo da criação da comunidade, o meio de comunicação onde serão realizadas as discussões sobre a proposta, quem poderá participar e etc.

Sensibilização: Nessa etapa é sensibilizado as pessoas a participarem. Então é preciso divulgar a proposta de criação da comunidade de aprendizagem para alunos, professores, coordenadores, tutores… em diferentes ferramentas (Ex. Facebook, WhatsApp, Email, plataforma virtual que os alunos acessam para estudar entre outros). É importante que na proposta divulgada tenha estabelecido um canal (por exemplo, email, formulário Google) para que as pessoas possam aderir. É fundamental também que nessa etapa definam-se as ferramentas virtuais que favorecerão o desenvolvimento das demais etapas.

Discussão: É nessa fase que cada um fala de suas necessidades (via a ferramenta definida na proposta, por exemplo, grupo de WhatsApp).

Seleção de Prioridades: Nessa etapa, defini-se as prioridades a ser atendida pela comunidade de aprendizagem (Ex.: criação e/ou definição de espaços virtuais para interação da comunidade de aprendizagem; criação de uma biblioteca virtual que auxiliem nas pesquisas de professores,  alunos , tutores e outros participantes; levantamento das principais revistas acadêmicas da área de estudo da comunidade de aprendizagem).

Planejamento: Nessa etapa, organiza-se como serão desenvolvidos os trabalhos da comunidade de aprendizagem e a consecução das prioridades definidas na etapa anterior. É importante dividir todos os que aderiram a comunidade de aprendizagem em grupos menores.

Não esqueçamos que com o diálogo, transformamos as relações, nosso entorno e nosso próprio conhecimento, de maneira que “a aprendizagem dialógica se produz em interações que aumentam a aprendizagem instrumental, favorecem a criação de sentido pessoal e social, estão guiadas por princípios solidários e nas quais a igualdade e a diferença são valores compatíveis e mutuamente enriquecedores” (ALBERT et al,2008)

É uma apresentação breve de como criar uma comunidade de aprendizagem na EAD, vamos continuar diálogo no WhatsApp.

Obrigada,

Elines Petine Continue lendo “Criando Comunidades de Aprendizagem na EAD”

Apresentação do Blog #BemVindos :)

Obrigada pela visita 🙂

Meu nome é Elines,  atuo na EAD desde de 2015. Esse espaço foi instituído para discutirmos novas maneiras de desenvolver o processo de ensino-aprendizagem nessa modalidade de ensino.

Sinta-se a vontade para interagir.

EAD

Utilização do Facebook e YouTube como ferramentas de ensino e aprendizagem na EAD

Na EAD, o uso das redes sociais possibilita experiências no contexto do ensino e da aprendizagem, pensando nisso é proposto nesse post a utilização do Facebook e o YouTube como  ferramentas que auxiliem na comunicação, interação e interatividade entre os atores  (alunos, tutores, coordenadores…) envolvidos na disciplina de Teorias da Administração Pública do curso de Administração Pública UFF , disponibilizado pelo Consórcio CEDERJ.

Mas antes de explicar como vai funcionar a utilização dessas  duas  ferramentas,  aplicadas a essa disciplina especificamente, é preciso ter em mente que o campo de públicas  vem crescendo,  sendo cada vez mais necessário que os estudantes de administração pública estejam envolvidos nesse processo de construção e consolidação desse campo. Assim é importante desenvolver um pensamento crítico acerca do modelo passado e atual de administração pública brasileira.

Assim, para auxiliar  as tutorias presenciais da disciplina de Teorias da Administração Pública  propõe-se nesse post a utilização do Facebook e YouTube. E como isso vai funcionar?

Vamos lá!

#PROPOSTA 01: Utilizando o Facebook para discutir as Estratégias de Governança Digital (EGD)

download (1)

Objetivo: Criar um grupo no Facebook  para debater as Estratégias de Governança Digital (EGD) do governo brasileiro para  auxiliar na compreensão dos conceitos vistos no material impresso da disciplina Teorias da Administração Pública.

Resultados Esperados: Espera-se que o aluno consiga compreender que as Estratégias de Governança Digital (EGD) do governo brasileiro estão atreladas as Reformas Administrativas que visam a consecução do princípio da  Eficiência e a transformação das relações do Governo com os cidadãos, empresas e também entre os órgãos do próprio governo. Busca também melhorar a qualidade dos serviços prestados e principalmente fortalecer a participação cidadã por meio do acesso à informação para subsidiar a discussão e implementação de políticas públicas efetivas.

Procedimentos  :

1º passo:  Criação do grupo no Facebook  intitulado ”  Administração Pública Brasileira  em Foco”

2º passo: Inserção dos alunos inscritos na disciplina Teorias da Administração Pública no Grupo

3º passo: Comunicação  e interação entre os participantes do grupo sobre o tema  Estratégias de Governança Digital (EGD) do governo brasileiro.

 

 

#PROPOSTA 02: Usando o YouTube para entender o Patrimonialismo, Burocracia e Gerencialismo

download (2)

Objetivo:  Incentivar que os alunos utilize os videos disponibilizados YouTube para compreender o Patrimonialismo, Burocracia e Gerencialismo, e assim  observar as mudanças que a administração pública vem sofrendo ao longo dos anos, tendo em vista o fenômeno da globalização e a pressão por partes dos cidadãos por uma administração pública mais eficiente, eficaz e efetiva.

Resultado Esperado: Espera-se que os alunos consigam visualizar nos videos expostos os conceitos presentes no material impresso, percebendo através das discussões levantadas que a Administração Pública atual ainda possui  resquícios do patrimonialismo e que o modelo burocrático ainda é muito presente na Administração Pública brasileira.

Procedimentos:

1º passo: Compartilhar com os alunos inscritos na disciplina Teorias da Administração Pública uma playlist de videos do YouTube acerca do Patrimonialismo, Burocracia e Gerencialismo, criada pelo tutor presencial.

2º passo: Organizar um roda de debates com os alunos na tutoria presencial.

3º passo:  Iniciar a discussão com os alunos a partir do seguinte questionamento: nos dias atuais ainda são presentes na Administração Pública brasileira o modelo patrimonialista e burocrático na gestão da coisa pública?

Material de Apoio:

As Redes sociais na Educação

Estrategia-de-Governanca-Digital

O uso de blogs na EAD